Manifesto pelo fim do financiamento de programas ‘policialescos’

6.06.2019

Conhecidos do público brasileiro, os chamados programas ‘policialescos’, veiculados pelo rádio ou pela televisão, são quase exclusivamente dedicados a narrar violências e criminalidades de modo sensacionalista, espetacularizando casos de violência urbana, em formato pretensamente jornalístico, com forte apelo popular.

Ao se valer de sensacionalismo e violência, tais programas violam sistematicamente inúmeros direitos humanos, se aproveitam da exposição indevida da imagem de vítimas e acusados, da promoção do racismo, do machismo e da homofobia, além de legitimarem e estimularem violências institucionais, como a policial, para atrair audiência.
Em 2015, o estudo ‘Violações de direitos na mídia brasileira’ acompanhou 28 programas do gênero durante 30 dias, em 10 estados brasileiros, e constatou mais de 4.500 violações de direitos, 8.232 infrações às leis brasileiras, 7.529 infrações a acordos internacionais e 1.962 desrespeitos a normas autorregulatórias nas matérias apresentadas.
Boa parte dessas infrações foi praticada contra adolescentes em conflito com a lei, que cotidianamente têm sua imagem exposta e ridicularizada por apresentadores dos policialescos. Para além de terem seus direitos violados pelo conteúdo veiculado pelos programas, seja como acusados de cometer atos infracionais ou como vítimas de crimes, crianças e adolescentes também são desrespeitados enquanto telespectadores. Dados do Ibope apontam que as crianças brasileiras passam, em média, 5h35 horas por dia em frente à televisão. Assim, milhares têm recebido, todos os dias em suas casas, altas cargas de violência como algo natural.

Para além da ilegalidade desta prática, realizada por concessionárias de um serviço público, há que se considerar que, para que esses programas existam, é fundamental que haja alguma forma de custeio de sua produção. No atual modelo da radiodifusão brasileira, é a publicidade, de forma ampla, a principal responsável por financiar a programação de rádio e televisão no país. Assim, empresas, públicas ou privadas, que anunciam em programas policialescos são diretamente financiadoras da barbárie e, diga-se, corresponsáveis pelas violações transmitidas.

O recente estudo “A publicidade como estratégia de financiamento dos programas policialescos” revelou, por exemplo, que na categoria da publicidade estatal e da publicidade de empresas públicas ou de economia mista, inserções custeadas com recursos sob a tutela direta ou indireta do Poder Público Federal, há 104 publicidades do Poder Executivo Federal e 15 do Ministério Público Federal, totalizando 119 inserções. Ademais, no que diz respeito às cotas de patrocínio, a imensa maioria das veiculações são provenientes de empresas privadas, que respondem por mais de 90% da publicidade veiculada nessa modalidade, e 8,3% corresponde à publicidade de empresas públicas ou de economia mista. O setor privado é também o principal responsável pela publicidade veiculada por merchandising e por meio de peças publicitárias, respondendo por 67,2% das inserções, seguidos pelos anúncios da própria emissora do programa, responsáveis por 21,2% das inserções, e o Poder Público, responsável por 7,6% dos anúncios veiculados, sendo 5,7% diretamente publicidade estatal e os 2,1% restantes correspondentes a anúncios de empresas públicas ou de economia mista.

Acreditamos, no entanto, que o financiamento de violações sistemáticas a direitos fundamentais não faz parte dos valores dessas instituições. Deste modo, convocamos empresas públicas e privadas a reverem seus planos de publicidade, manifestando-nos pelo fim do financiamento de tais violações, especialmente dos direitos de crianças e adolescentes, prioridade absoluta em nosso país, conforme determina o artigo 227 da Constituição Federal.

Pedimos que tais empresas revisem suas práticas de financiamento de conteúdos que promovam a violação de direitos fundamentais imbricada neste gênero de programa e que estejam investidas em promover uma cultura de paz.

A medida vai ao encontro das recomendações já apresentadas em 2016 pelo Conselho Nacional de Direitos Humanos aos Ministros de Estado, Governadores, Prefeitos e aos Dirigentes de Empresas Estatais, para que não veiculem “publicidade de órgãos públicos e empresas estatais em programas de cunho policialesco, seja como cota de patrocínio, seja nos intervalos comerciais ou por meio de merchandising” .

Por fim, aos movimentos e organizações da sociedade civil, fazemos um chamado a se somarem à campanha “Mídia Sem Violações de Direitos” , lançada com o objetivo de sensibilizar a população brasileira para este problema e de ser um canal de denúncias sobre as violações praticadas na programação da radiodifusão brasileira.

Instituições que assinam o manifesto:
ANDI – Comunicação e Direitos
Artigo 19
Instituto Alana
Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social
Centro de Estudos Integrados, Infância, Adolescência e Saúde [CEIIAS]
Centro de Pesquisa em Psicanálise e Linguagem [CPPL]
Instituto da Infancia [IFAN]
Instituto Brasiliana
Instituto Avisa Lá Formação Continuada de Educadores
Associação Brasileira de Estudos sobre o Bebê
Instituto Liberta
Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador de Alagoas [Fetipat/AL]
Rede Estadual Primeira Infância de Alagoas
Movimento Interforuns de Educação Infantil do Brasil [MIEIB]
Movimento de Adolescentes e Crianças [MAC – Pernambuco]
Rede Nacional Primeira Infância [RNPI]
Instituto Girasol do Brasil
Avante Educação e Mobilização Social
Sociedade Brasileira Psicanálise de São Paulo [SBPSP]
Centro de Criação de Imagem Popular [CECIP]
Instituto Transviver
Plataforma de conteúdo e formação parental 4daddy
Midiativa – Centro Brasileiro de Mídia para Crianças e Adolescentes
Instituto Noa
Amorimá Projetos de Impacto Positivo socioambiental
Instituto Viva Infância
Rede Justiça Criminal
Conselho Federal de Psicologia
Fundação Fé e Alegria do Brasil
Associação Internacional Maylê Sara Kalí – Brasil [AMSK]
Instituto Sou da Paz
Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares [Contag]
Instituto de Defesa do Direito de Defesa
Federação Nacional dos Jornalistas [FENAJ]
Inspetoria São João Bosco Salesianos
Deputada Federal Luiza Erundina
Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero
Casa de Cultura CCIAO
Rede Não Bata, Eduque [RNBE]
Casa de Cultura Axé
Rede Conhecimento Social
Imprimir publicação Imprimir publicação